Sobre a Embaixada

Mensagem do Embaixador

A Embaixada de República Dominicana no Brasil, através do seu site, quer saudar calorosamente o povo do Brasil e do resto do mundo que acessa a informação aqui apresentada.

Criamos esta ferramenta interativa para oferecer informações mais precisas sobre o nosso belo país, com informações gerais, atrações turísticas e de negócios, que será muito útil para todas as pessoas para o trabalho, estudo, férias, necessidade de conhecer-nos melhor, ou simples curiosidade.

ALEJANDRO ARIAS ZARZUELA

Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Dominicana junto à República Federativa do Brasil

Curriculum

Alejandro Arias Zarzuela nasceu na cidade de Santo Domingo, República Dominicana, em 1º de julho de 1971. Estudou educação elementar, primária e secundária na Escola Dom Bosco, em Santo Domingo.

É formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica Madre e Maestra. Obteve um Mestrado em Ciências Jurídico-Políticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Portugal; pós-graduação em Finanças e Gestão do Setor Público no Instituto de Direito Econômico, Financeiro e Tributário da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Portugal: e MBA em Gestão de Projetos Público-Privado na Escola de Administração da Fundação Getúlio Vargas, República Federativa do Brasil.

Em suas capacitações incluem o  curso de Negociações Internacionais no Centro de Estudos da Organização Internacional do Trabalho (OIT); Curso de Formação Diplomática do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Organização das Nações Unidas (ONU); curso de Direito Internacional Público na Escola Diplomática e Consular do Ministério das Relações Exteriores da República Dominicana; curso sobre Políticas Internacionais de Migração na Organização Internacional para a Migração.

Antes de sua nomeação como Embaixador da República Dominicana no Brasil, ele ocupou cargos diplomáticos também nas embaixadas da República Dominicana perante o Reino de Espanha, Portugal e a República Federativa do Brasil.

Antes de sua nomeação como Embaixador da República Dominicana no Brasil, ele ocupou cargos diplomáticos também nas embaixadas da República Dominicana perante o Reino de Espanha, Portugal e a República Federativa do Brasil.

É funcionário público da Carreira   Diplomática e Consular da República Dominicana e ocupou  no Ministério de Relações  Exteriores os cargos de  coordenador da Comissão de Revisão e Adaptação do Quadro Legal Consular e  Migartorio na República Dominicana e encarregado dos projetos  do Vice-Ministro das Relações Exteriores para Assuntos Consulares.

Também foi representante do Ministério de Relações Exteriores perante o Grupo de Consulta da Conferência Regional sobre Migração (CRM), Processo de Puebla; e Gerente Interino do Departamento Consular do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Foi professor na Escola Diplomática e Consular do Ministério das Relações Exteriores da República Dominicana.

Antes de sua incursão na carreira diplomática, estudou na Academia Militar das Forças Armadas, onde  se formou como piloto militar da Força Aérea da República Dominicana, ocupando, antes de se tornar uma reserva, vários cargos em sua respectiva área de especialização.

Ele é o pai de Alejandro, Daniel Andrés e Jorge Ernesto

Estrutura & Equipe

 

 

 

Ministro Conselheiro Marino Castillo Lacay

Setor Econômico e Comercial

 

 

 

 

 

Conselheiro José Antonio Isa H

Assuntos Consulares e Proteção dos

Dominicanos no Exterior / Financeiro

 

 

 

 

 

 

Conselheiro José Loreto Julián C

Política Bilateral / Multilateral e

Cooperação Técnica

 

 

Conselheira Soraya Franco D. 

Cultura

 

 

 

Conselheira Maribel Peralta Cuevas 

Cooperação Acadêmica / Administração

 

 

 

 

 

Primeira Secretária Orly Burgos Castillo  

Diplomacia Pública

 

 

 

 

 

 

Coronel Aviador Henry Holguin Terrero 

Adido de Defesa, Naval, Exército e Aeronáutica

Relações com o Brasil

Política Bilateral

Os primeiros passos para formalizar uma representação brasileira na República Dominicana datam de 1908, quando o Ministro de Estado das Relações Exteriores do Brasil, Barão do Rio Branco, encarregou o Chefe da Legação do Brasil em Cuba em 10 de abril de 1911, Ministro Antonio Fontoura Xavier, para entrar em contato com o Cônsul de Portugal em Santo Domingo com o objetivo de lhe oferecer a representação brasileira perante a República Dominicana com o cargo de Cônsul Geral Honorário do Brasil em Santo Domingo, capital da República Dominicana.

Dia 21 de abril de 1911, o ministro Fontoura escreve desde a Havana através da carta Nº 1 ao ministro Rio Branco para informar que o então cônsul de Portugal na República Dominicana, Sr. Silvestre Aybar y Núñez, aceitou o cargo de cônsul geral honorário de Brasil na República Dominicana. No documento acima mencionado, também afirmou que o Sr. Aybar Núñez ocupou anteriormente o cargo de Cônsul Geral do Equador em Santo Domingo, com o qual ele ocuparia ambas as representações em Santo Domingo.

Em relação à representação da República Dominicana no Brasil, dia 2 de março de 1926, o Chefe da Legação da República Dominicana no Brasil, o Ministro Tulio Manuel Cestero, apresentou cópias de suas Credenciais ao Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Dom Felix Pacheco, na qualidade de Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário da República Dominicana na República Federativa do Brasil. As cópias foram registradas no dia 11 de março de 1926 com o número 0820 no Ministério das Relações Exteriores do Brasil. O ministro Cestero ocupou a representação simultânea no Brasil porque sua acreditação e sede permanente estava em Buenos Aires, Argentina.

No dia 2 de dezembro de 1926, o ministro Cestero informou ao Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Estados Unidos do Brasil, sua partida para a cidade de Buenos Aires, informando que deixou os arquivos responsáveis ​​pelo cônsul geral ad Honorem da República Dominicana em a cidade do Rio de Janeiro, o Sr. Juan Rodrigues Teixera Junior, cujas cartas patentes que o credenciaram como representante consular dominicano foram remitidas ao Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro Cestero por meio do documento nº 178 de 13 Agosto de 1926, registrado no Ministério brasileiro no dia 13 de agosto de 1926 com o número 3430.